Madelaine Petsch concede entrevista a Seventeen Magazine – Madelaine Petsch Brasil

Madelaine Petsch concede entrevista a Seventeen Magazine

Publicado por camila

Madelaine Petsch sendo a realeza de “Riverdale” e se redefinindo na vida real. Se Cheryl Blossom de Riverdale foi salva como “chefe das v*dias” em seu celular, a atriz que a interpreta provavelmente teria o nome “melhor amiga”.

A atriz de 25 anos está dando vida a icônica ruiva, por 3 temporadas (a quarta temporada estreia dia 9 de outubro). Mas qualquer similaridade entre Petsch e Cherry Bombshell começa e termina com aquelas mechas ruivas.

Para qualquer um que a conheça bem, Petsch é mais parecida com aquele sorriso grande e brilhoso, do que o profundo de Cheryl. E Cheryl talvez seja a valentona que todos amam amar, Petsch preferiria brincar consigo mesma em seu canal no YouTube do que incomodar alguém.
Esse é o motivo de Petsch ter ficado surpresa, ao primeiro contato, pelos fãs terem depositado o desgosto pela Cheryl na atriz. “Quando eu sofri cyberbulling depois do Teen Choice Awards de 2017, após a primeira temporada de Riverdale, eu fiquei muito triste,” ela diz. “Eu pensei, ‘Por que as pessoas me odeiam? Eu não entendo, eu estou apenas interpretando uma personagem’”

Aliás, ela tem interpretado praticamente sua vida toda. Antes mesmo das crianças andarem, Petsch já atuava, dançava e cantava. “Eu sou uma das únicas pessoas que, com 6 anos, eu sabia exatamente o que eu queria fazer. Meus pais me apoiavam muito e eu amava estar no palco e dar vida aos personagens.”

A paixão de Petsch pela atuação floresceu na adolescência e então ela se deparou com uma grande decisão: ficar em sua cidade natal Port Orchard, em Washington, ou seguir seus sonhos ate Los Angeles. Sua decisão foi muito difícil.

Ela tinha estrelas nos olhos, sem dúvidas, mas a mudança deu grande abertura ao bullying que ela recebeu no ensino médio.

“Eu cresci em uma cidade pequena. E muitas pessoas faziam brincadeiras comigo por ser ruiva, por meus pais serem da África do Sul, não ser criada em um religião, não comer carne. Eu tinha tudo contra mim, todas as coisas que me faziam única eram as coisas que as pessoas iriam levar.” Em particular, Petsch experimentou o cyber bullying. “Eu me lembro que alguém fez uma pagina horrível no Facebook e no MySpace sobre mim e minha melhor amiga. Ouvir o que as outras pessoas dizem nas redes sociais dificulta argumentar contra.” Mas Petsch deixou sua dor de lado quando ela seguiu para Hollywood. Trabalhando em 3 empregos para pagar o aluguel, Petsch descreve sua vida na época como “a vida típica de ator”. Ela era barista, recepcionista e assistente pessoal, focando todo seu tempo livre em vídeos de audição. Uma hora, ela considerou pintar seu cabelo de castanho na esperanças que ajudaria ela arranjar mais papéis. “Minha mãe estava tipo ‘Por favor, não faça isso,”

Finalmente, ela recebeu um telefonema do diretor de elenco de Riverdale, David Rappaport. Quatro meses depois, ela recebeu a ligação que ela tinha conseguido o papel. “Eu comecei a chorar e gritar, então meu chefe chegou. Eu estava tipo ‘Eu consegui o papel! Eu me demito!” E com isso, Petsch se mudou para Vancouver para começar a filmar a primeira temporada de Riverdale em setembro de 2016.

O começa das filmagens, Petsch e o resto do elenco não tinham ideia que a série se tornaria um fenômeno. “Nós dizíamos ‘Ninguém nunca vai assistir nossa série.’” Obviamente, pessoas assistiram a série, MUITAS pessoas. De repente, Petsch se viu envolvida na fama. Toda a atenção, mesmo sendo tão recompensadora, também trouxe-a ansiedade social. “Na verdade, eu acho que vai piorando enquanto eu vou ficando mais velha, algo que eu estou trabalhando sobre. Eu tenho uma ótima terapeuta em Vancouver.” E se as cosias ficam mais intensas, ela tem a sua mãe para uma ligação rápida. “Quando eu estou tendo um ataque de pânico, ela me ajudou a passar por isso mesmo que seja 3:00 da manhã.”

Com o sucesso da série, Petsch teve que lidar novamente com os haters online, especialmente aqueles que a confundiam com a personagem. Em 2017, ela começou um canal no YouTube, para mostrar aos fãs quem ela realmente é. No começo, ela planejava postar 5 ou 6 vídeos, mas 2 anos depois você pode encontrar vlogs novos todas as quartas-feiras. “Eu quero que as pessoas conheçam a Madelaine. Eu quero que eles saibam que eu sou estranha e engraçada, que eu amo as pessoas. Se eles ainda tiverem suposições ruins, aí é com eles.”

Com os passar dos anos, ela também se permitiu aprender um pouco com sua personagem em Riverdale. Como alguém que sempre teve uma relação de amor e ódio com o cabelo vermelho, interpretar a icônica ruiva encorajou-a a abraçar seu cabelo natural. “Eu acho que a Cheryl me ajudou a amar meu cabelo ruivo. Finalmente, meu cabelo e eu temos uma ótima relação. E quando os fãs me contam que estão sofrendo bullying, eu os lembro que aquelas coisas por quais eles estão sofrendo, são as coisas que os tornam únicos. Quando você ficar mais velhos, essas coisas farão você se destacar.”

Explorando todos os lados da Cheryl nas primeiras temporadas, ajudou Petsch a entender melhor o bullying que ela sofreu quando era mais nova. “Eu tenho aprendido muito sobre a mente das pessoas que fizeram bullying comigo por causa da Cheryl na série. Eu aprendi que a maioria das pessoas que fizeram as brincadeiras comigo, estavam passando por suas próprias m*rdas. E elas estavam descontando em outras pessoas. E isso quebra o meu coração.”

A temporada quatro tem muita história da Cheryl já que ela se reuni novamente com Betty, Jughead, Veronica, Archie e os outros no colégio. Juntas, Cheryl e Toni (ou Choni, como os amados fãs as chamam) aparentam levar passo a passo seus desafios. E se a química entre as duas aparenta ser real, é porque é – elas são amigas há anos, após se conhecerem nos testes de Riverdale.

Segundo Petsch, os fãs reagem a essa conexão. “Fazer parte de um ship como Choni, é incrivelmente importante como me faz sentir. Eu conheço tantos fãs que dizem que eles sentiam coragem de se assumir para sua família e amigos por causa da minha personagem.”

As fãs de Choni ficarão felizes em ouvir que o casal está caminhando forte na nova temporada e Petsch promete que essa temporada será mais parecida com a primeira. Enquanto ela começa com um “mistério incrível”, como Petsch chama, tem um grande foco nas relações das personagens do que nas últimas temporadas.

Para Petsch, essa é uma mudança boa. “Eu já posso nos sentir voltando para a vibe da primeira temporada, tendo cenas todos juntos. Nós realmente nos amamos e nos damos super bem.

Uma coisa que faz falta em Riverdale, é não ter a presença de Luke Perry, que faleceu de um acidente vascular cerebral em fevereiro de 2019, com 52 anos. Enquanto a quarta temporada terá um tributo especial ao ator, Petsch diz que não existem palavras para descrever essa perda. “Luke era meu oráculo por toda parte de Riverdale. Ele esteve em 90210 e tinha feito todo seu trabalho, então qualquer hora que eu tivesse dúvidas, ele abria sua porta para mim. Ele era uma alma tão boa e amável, ele era tão generoso. Ele era o tipo de ator que te da tudo de si quando trabalha com você.”

Petsch está ainda processando sua perda e se vê sentindo falta de Perry em momentos grandes e pequenos. Ela se lembra de um momento que ele a ajudou passar por comentários negativos na média sobre uma roupa que ela usou em um tapete vermelho e quando ele conversava com ela se ela desse uma entrevista quando não estava muito bem. “O mais difícil para mim era que em toda Comic Con, Luke me ligava de manhã e dizia: ‘eu tenho uma espinha, preciso que você cubra isso’. E ele vinha ao meu quarto e me fazia cobrir a sua espinha. Está última Comic Con foi realmente difícil porque eu não recebi meu telefonema.”

Petsch também diz que Perry a ensinou tantas lições que ela carregará no futuro. “Eu aprendi com Luke a ser uma luz para as pessoas porque você nunca sabe quando alguém precisa, assim como eu precisei.”

Petsch traz otimismo para tudo que ela realiza hoje em dia, incluindo explorar novas oportunidades. Ela recentemente terminou as gravações de um filme, Sightless, onde ela interpreta uma mulher (“não uma adolescente!” ela comemora) que perdeu a visão e é forçada a se ajustar ao seu novo e perigoso ambiente. Petsch também admite que ela amaria interpretar a vilão da DC, Hera Venosa, ao lado da Mulher Gato de Ruby Rose.

Outra paixão de Petsch: sua linha de óculos de sol, M3, com a Privé Revaux, sua segunda vez colaborando com a marca. Petsch desenhou todas as armações. “Eu sou muito ligada a acessórios. Jóias, sapatos, bolsas… os trabalhos. Eu amaria um dia entrar nas parte de roupas.”

Com a calmaria nas filmagens, Petsch ainda está procurando tirar mais tempo para arte. “Existem fases na minha que eu passarei 3 semanas pirando e então desenharei por 1 mês. Eu estou voltando para o piano esses dias.”

Outra coisa que ela está tentando: ligar o f*da-se, algo que ela também diz que não conseguiria ser a ajudinha das colegas de elenco de Riverdale. ”Quando eu me mudei pela primeiro vez para LA, eu pensava que deveria sempre estar maquiada e perfeita, caso eu esbarrasse com um direito de elenco em alguma loja. Agora, eu sou cercada de mulheres tão empoderadas. Nós lembramos uma às outras a sermos divertidas e abraçarmos quem somos. Eu não sinto mais nenhuma pressão em ser perfeita nas redes sociais. Eu estou mostrando a verdadeira eu o tempo todo. Eu estou apenas sendo eu.”

Confira as fotos do photoshoot para a Seventeen Magazine em nossa galeria:

MPBR0001~88.jpg MPBR0003~72.jpg MPBR0001~88.jpgMPBR0003~72.jpg

PORTRAITS E ENSAIOS FOTOGRÁFICOS – PORTRAITS AND PHOTOSHOOTS > 2019 > SEVENTEEN MAGAZINE

MPBR0002~80.jpg MPBR0002~80.jpg MPBR0002~80.jpg MPBR0002~80.jpg

 REVISTAS E JORNAIS – SCANS > 2019 > SEVENTEEN MAGAZINE – OCTOBER

 

Fonte: Seventeen Magazine

Tradução e Adaptação: Madelaine Petsch Brasil